Excesso de sal na alimentação e efeitos na saúde - Para Si

O excesso de sal na alimentação apresenta sérios riscos para a saúde, tanto ao nível das doenças cardiovasculares como outras doenças crónicas. É importante moderar o seu consumo e aplicar medidas no dia-a-dia para reduzir o consumo de sal.

Segundo o estudo “O sal na alimentação dos portugueses” realizado pelo Departamento de Alimentação e Nutrição (DAN) do Instituto Ricardo Jorge, o consumo excessivo de sal em Portugal é uma realidade. Apesar do sal ser um ingrediente necessário à sobrevivência dos seres humanos, o seu consumo em excesso prejudica a saúde, uma vez que faz com que o organismo retenha mais líquidos e aumente o volume. Isto leva a uma sobrecarga no sistema circulatório, prejudicando os rins e contribuindo para o aumento da pressão sanguínea.

Que problemas pode originar o excesso de sal na alimentação?

A Organização Mundial da Saúde recomenda um nível de consumo de sal inferior a 5 gramas por pessoa e por dia. Porém, segundo a Direção Geral da Saúde – DGS, os portugueses consomem o dobro, fator este que pode estar na origem do aumento do risco de aparecimento e/ou progressão de diversas doenças.

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Hipertensão, o consumo excessivo de sal está associado a várias doenças. A mais crítica é a hipertensão. Em casos graves, em que a doença não é controlada, pode mesmo levar a situações fatais como o AVC ou o enfarte do miocárdio. Além disso, o excesso de sal na alimentação está também associado a patologias crónicas como doenças renais, cancro no estômago e osteoporose.

Deste modo, e segundo a mesma fonte, se cada pessoa em Portugal consumisse menos 2g de sal (0,8g de sódio) por dia, a taxa de AVC cairia entre 30 a 40% nos 5 anos seguintes, ou seja, em média, seriam menos 11.000 casos de AVC por ano em Portugal.

A que tipo de alimentos devemos estar mais atentos?

Existem alimentos que contêm tendencialmente mais sal na sua composição. Sobretudo os alimentos processados – como salsichas e bolachas, alguns queijos e refeições pré-cozinhadas, tendem a apresentar elevadas concentrações de sal. Assim, é necessária especial atenção na escolha deste tipo de produtos, de forma a garantir uma alimentação equilibrada. Inclua sempre alimentos frescos na preparação das suas refeições e faça escolhas a pensar no seu bem-estar.

Saber interpretar rótulos é um dos primeiros passos para a redução do consumo de sal. Considere a lista de ingredientes e a tabela nutricional quando compra produtos embalados. A verdade é que, por vezes, os molhos, temperos e refeições prontas são bastante ricos em sal, o que faz com este ingrediente seja consumido inconscientemente. Para incentivar a diminuição do consumo do sal, os retalhistas começam a desenvolver e oferecer cada vez mais opções com redução ou exclusão de sal, com vista ao bem-estar dos consumidores. Assim, leia sempre a informação nutricional presente na embalagem e faça as escolhas mais saudáveis.

A redução progressiva do consumo de sal deve partir da escolha de ingredientes mais naturais e com menor teor de sal na sua composição e da adoção de práticas mais saudáveis na confeção dos alimentos como, por exemplo, a substituição do sal por especiarias e ervas aromáticas.

Siga estes cuidados e alertas e partilhe este artigo com os seus amigos. Viver em equilíbrio é a chave para o bem-estar, não só presente, mas também futuro e um consumo moderado de sal contribui, sem dúvida, para uma vida mais saudável e feliz.